Clube Livro

Quem está conectado

1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum


O recorde de usuários online foi de 30 em Dom 17 Abr 2011, 16:21

Últimos assuntos

» PRESENÇA DIVINA
Qua 29 Fev 2012, 03:16 por Super Tifa

» Lancei o mMEU LIVRO, e voltei a CB
Ter 27 Set 2011, 13:01 por capitaoryu

» Queimando em fogo (Vou parar de postar aqui por quê ninguém comenta!)
Sab 10 Set 2011, 23:02 por Shadow_Hunter

» Suas lagrimas estão caindo
Seg 05 Set 2011, 21:01 por Shadow_Hunter

» Oi denovo,"
Seg 05 Set 2011, 20:59 por Shadow_Hunter

» Meu Destino é te amar...
Qui 25 Ago 2011, 11:05 por Shadow_Hunter

» Sangre verme!
Seg 22 Ago 2011, 12:38 por Moonday

» Sonhos e Ilusões
Seg 22 Ago 2011, 12:37 por Moonday

» AMAR VOCÊ
Sab 20 Ago 2011, 16:13 por Shadow_Hunter

» O Sinal da Cruz
Sab 20 Ago 2011, 15:39 por Shadow_Hunter

Carregando avatar...
Usuário:
Meu perfil.
Minhas preferências.
Assinatura.
Meu Avatar.

Post's:
Tópicos que supervisiono.
Meus tópicos favoritos.
Tópicos que participo.
Últimos tópicos.

    cinzas, por dagoberto

    Compartilhe
    avatar
    sdagoberto
    Matriculado
    Matriculado

    Mensagens : 4
    Data de inscrição : 29/03/2011

    Respeito as Regras:
    Barra de Warning:
    100/100  (100/100)

    Poema cinzas, por dagoberto

    Mensagem  sdagoberto em Qui 07 Abr 2011, 16:01

    neste novo ano,
    primeiro, foi o mar,
    depois, o meu pequeno sol.
    assim o foi até hoje,
    assim o pensava eu.
    era ele, ele era a sombra,
    a sombra sorridente,
    tão sorridente
    quanto um desenho animado,
    tão sério, sério o suficiente
    para se parecer o suficiente
    como se um verdadeiro político se tratasse.
    ele era a personificação do mistério,
    a origem do meu fascínio,
    e não só o era,
    como ainda o é.
    tu foste o começo da razão,
    o cancro de toda a minha confusão,
    de toda a minha solidão…
    de ti, sombra, eu nada te pedi ou desejei
    a não ser a tua amizade,
    e tu, nada me deste,
    a não ser esta minha infelicidade.
    esperança, ó esperança…
    só tu me amas,
    só tu consegues fazer arder a chama,
    que em mim, solitária, ainda vive.
    sombra, porque me fazes sofrer?
    miragem, porque me persegues?!
    a minha angústia ainda não vos é suficiente?!!
    ó…, ao menos ainda há esperança!
    esperança de te poder tocar,
    de me poder aproximar de ti,
    de te poder abraçar loucamente.
    esperança de que algum dia,
    eu ainda te consiga beijar esses teus lindos lábios,
    de poder partilhar contigo um sonho,
    um amor, uma amizade,
    enfim… uma vida.
    mas como posso eu
    ter certeza do que sinto?
    se um poeta é um fingidor,
    os meus sentimentos
    nada são que fingimentos.
    tudo o que me rodeia é uma miragem.
    a realidade é uma miragem.
    cinzas foste; cinzas serás.

    salvador dagoberto – 19:29 – 07-04-2011
    avatar
    juniorbeofort
    Coordenador - Designer e Publicidade
    Coordenador - Designer e Publicidade

    Mensagens : 142
    Data de inscrição : 06/02/2011
    Idade : 25

    Respeito as Regras:
    Barra de Warning:
    100/100  (100/100)

    Poema Re: cinzas, por dagoberto

    Mensagem  juniorbeofort em Qui 07 Abr 2011, 22:13

    maravilhoso, adorei .
    parabéns cara.
    avatar
    Passari
    Graduado
    Graduado

    Mensagens : 67
    Data de inscrição : 03/04/2011

    Respeito as Regras:
    Barra de Warning:
    100/100  (100/100)

    Poema Re: cinzas, por dagoberto

    Mensagem  Passari em Sex 08 Abr 2011, 19:51

    Isso, de certa forma lembra a mim mesmo, tudo aquilo que sinto e desejo, que parece ser tão profundo, mas ao mesmo tempo vai embora em tão pouco tempo. Realmente, só humanos somos um pouco insignificantes perto daquilo que nos rodeia, não sei o por quê, mas creio nisso. ;/

    Conteúdo patrocinado

    Poema Re: cinzas, por dagoberto

    Mensagem  Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Seg 20 Nov 2017, 12:18